quinta-feira, 18 de maio de 2017

Sobre oportunidades perdidas




 Leia ao som de Hear you me, Jimmy Eat World


Imagine um trem, um metrô, um ônibus biarticulado ou qualquer outro meio de transporte que tenha seções, divisões, vagões…
Normalmente eles transportam pessoas e costumam estar com muitas delas. Quando estamos esperando por eles do lado de fora só ficamos como observadores: não nos comunicamos, trocamos ou se quer podemos fazer com que eles parem. Eles param e rapidamente tudo aquilo que vimos some, mas existe a possibilidade de entrarmos.
O mesmo acontece com as nossas oportunidades. Elas aparecem constantemente em nossas vidas – por um período – e se a gente não fizer absolutamente nada, se vão, como nuvens.
É aquele pedido de desculpas que a gente tinha em mãos prontinho, mas que de repente o ego chegou para nos dizer que isto não era para ser feito, afinal, onde vai parar o nosso orgulho? E aí deixamos passar.
Uma possibilidade de fazer o que amamos, mas pelo medo do que ainda não aconteceu, pela ansiedade de dar errado e já tendo um pensamento negativo embutido, deixamos para ficar na nossa caixinha dos sonhos.
As chances estão disponíveis para a gente grande parte do tempo. Fica em nossas mãos o poder de permitir que elas cheguem de fato até nós ou que elas partam para a próxima estação.
Um momento passado é completamente irremediável. Perder de vista esta percepção por puro medo de viver é como entrar no vagão sem saber o motivo e seguir o piloto automático porque um dia alguém nos disse que era assim.


Texto de Keila Caiani

Nenhum comentário:

Postar um comentário