quinta-feira, 10 de novembro de 2016

O amor convém



Enquanto você dorme em meus braços, fico repassando os últimos dias. O pensamento vai longe, tentando me lembrar de quando nos apaixonamos antes mesmo de nos conhecermos de verdade. Quando nos beijamos, percebi que seria seu para todo o sempre. 
Conheço você de olhos fechados e não há nada que não ame ou não admire.  Amo cada centímetro seu: pintas, sardas, a curva do seu sorriso e a maciez das suas mãos; a forma como presta atenção em mim, como me faz rir e até sua irritação; seu cabelo solto, seu olhos brilhantes, sua maneira de "conversar" com cachorros. Amo quando me leva para algum lugar incomum, quando fala das coisas que acredita e o fato de ser tão apaixonada pela vida. Amo quando inventa motivos para ficarmos juntos, apesar da rotina; seu jeito de olhar a chuva e admirar a lua. 
Você, sempre tão forte, tão intensa, dorme calmamente em meus braços. Por favor, não levante ainda, quero te olhar um pouco mais. Pode deixar, protegerei seu sono, lutarei pelos seus sonhos, mas quero apenas agradecer ao Pai por ter me dado você, por ter sido o seu “sim”...


sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Ainda lembro da gente


Ao som de Costumes, Paula Fernandes





Preciso confessar que ainda lembro da gente. Coleciono perguntas não respondidas sobre o que fazer com o que sobrou de nós. O que devo fazer com as músicas que fizeram parte da nossa história? Nunca tivemos uma música apenas. Tínhamos uma playlist que descrevia nossos instantes. Será que terei que mudar meu gosto musical para não correr o risco de, acidentalmente, ouvir sobre nós através de uma canção? Como apagar da memória o som da sua voz? Por vezes você sussurrou meu nome, me fez sonhar e deu vida a palavras tão doces e marcantes. Como apagar isso? Ainda lembro do som da sua gargalhada e de como eu vibrava quando era o motivo dela. Qual é a fórmula para esquecer dos seus braços me envolvendo e prendendo junto a você?  Como faço para esquecer seu olhar antes de cada beijo, a mão deslizando pela minha nuca e o registro dela em minha pele? Sinto falta do que tivemos, mas principalmente do seu cheiro e da sensação de estar em seus braços, de me perder em nossas loucuras. Sei que você também lembra de nós, talvez até sinta saudades de como éramos felizes e inconsequentes quando estávamos juntos, mas somos orgulhosos demais para ignorar tudo o que nos afastou. Esta saudade recorrente, agravada pela chuva nas janelas, vai continuar com a gente, em silêncio. Não fomos feitos para ficar juntos, apesar de toda afinidade, de todos os momentos em que perdemos a cabeça ... Torço para que que o destino, por ironia ou maldade, jamais nos coloque na mesma calçada. Tenho certeza que seríamos gentis, polidamente educados, mas seria extremamente difícil disfarçar a falta que sinto do seu sorriso colado ao meu. 
Eu pensei que já nem me lembrasse de coisas passadas ...