terça-feira, 27 de maio de 2014

Sobre memórias e saudades

Ainda É Tudo Seu by Luiza Possi


Sobre a memória, Chico Buarque disse: "é deveras um pandemônio, mas está tudo lá dentro, depois de fuçar um pouco o dono é capaz de encontrar todas as coisas. Não pode é alguém de fora se intrometer, como a empregada que remove a papelada para espanar o escritório."

Hoje encontrei em algum canto da memória, a lembrança de um abraço e da cumplicidade de quem sabia o caminho para o meu sorriso sem pedir informação. Por um instante habitei fora, fechei os olhos para reviver nossos instantes, percorri espaços que pertencem ao passado, mas que visitaram meu presente.







quinta-feira, 22 de maio de 2014

Antes que seja tarde (sobre vergonha,perdão, Xuxa e bancada evangélica)

Antes que seja tarde demais, prefiro falar. O Cristo que escolhi seguir enfatizou que o maior mandamento que existe é o amor. Amor que supera divergências de opiniões e escolhas. Evangelho é amor. É a prova de amor de Deus por nós através de Cristo. Amor que vem do Pai e passa por nós. Se digo que sou evangélica, é isso que tenho que mostrar ,principalmente através de minhas escolhas e atitudes.

Por que estou dizendo isso? Porque a partir do momento que alguém se acha no direito de representar uma classe, deve fazê-lo como um todo e não apenas em determinados interesses. A meu ver, a bancada evangélica deveria representar o que o evangelho prega: amor, perdão, transformação e temperança.
Ontem, o pastor Eurico (PSB/PE) agiu contrariando tudo o que creio. Xuxa não é exemplo de conduta (qual humano é?), discordo de grande parte do texto da lei que ela tenta aprovar, mas ela demonstrou mais serenidade que o tal pastor. Todo mundo sabe o quanto ela se envergonha e procura esconder o que fez em seu passado (filme em que aparece fazendo sexo com uma criança de 12 anos). O pastor Eurico fez questão de hostilizá-la exatamente pelo erro cometido. Ignorou que já tem quem faça o papel de acusador. O Senhor não age desta forma com a gente, por que ele se sentiu no direito de fazê-lo? 

Ontem fui dormir pensando na passagem bíblica em que os escribas levam a mulher adultera para ser apedrejada (João 8.1-11). Ela foi pega em flagrante e segundo a lei, deveria ser punida com a morte. A Xuxa terá sempre o fantasma desse filme assombrando sua vida. Assim como ofereceu àquela mulher, Cristo também tem perdão a oferecer para ela e só pede uma coisa: não cometa o mesmo erro (não peques mais). Me pego pensando no pastor Eurico. Talvez ele conheça as escrituras assim como os escribas: a letra fria, que condena, que desconhece a graça. Eu conheço as escrituras que promovem perdão (não importa qual tenha sido o erro), e que apresentam o Cristo misericordioso e temperado. Jesus não hostilizou a mulher, Ele a amou e perdoou. Ele disse que o Seu amor encobre uma multidão de pecados. O amor que recebi do Senhor me mostra que eu preciso amar ao próximo, não importa o que ele tenha feito; perdoar a todo instante e esquecer a natureza humana que me leva a julgar.
Se eu fosse julgar os evangélicos a partir da conduta do pastor Eurico, eu diria que evangélicos são incapazes de perdoar, de argumentar sem agredir, e preferem atacar jogando na cara os erros do passado. Mas, entendo que evangélico é aquele que decidiu seguir o evangelho de Cristo. Aquele que optou por repetir os passos do mestre, aquele que escolhe dizer: “Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? Respondeu ela: Ninguém, Senhor! Então, lhe disse Jesus: Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais.”




domingo, 18 de maio de 2014




Diante de algumas situações, nossa paciência é colocada a prova. São fases complexas, onde parece que tudo dá errado. Tenho aprendido a enfrentar esses períodos, respirando fundo (bem fundo!), contando até 10 (pra não matar ninguém) e claro, mantendo a fé em Deus! “A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem”. Tenho aprendido que preciso manter a calma, que nenhuma noite dura para sempre, e que a fé, esta que nos mantém de pé na hora difícil, também nos acompanha nos dias de alegria!