Não sou mulher maravilha!

Calma by Ludmila Ferber on Grooveshark


"A ansiedade no coração deixa o homem abatido, mas uma boa palavra o alegra." Provérbios 12.25
Não, eu não sou a mulher maravilha, sou uma mulher comum que briga com sua ansiedade, que tenta não ser consumida pela dúvida.  Não, eu não sou a mulher maravilha, sou uma mulher que quer lançar sobre o Pai suas ansiedades e realmente entender que cada dia tem o seu mal, e eu não posso mudar isso. Não, eu não sou a mulher maravilha, sou uma mulher comum, que quer aceitar o tempo entre a ordem do mar se acalmar e o tempo em que ele realmente se acalma. Sou uma mulher comum, maravilhoso é o meu Deus!

Extirpar

Lean on Me by Kirk Franklin on Grooveshark

Extirpar seria um verbo fácil de ser conjugado caso o seu uso fosse específico para a botânica. Difícil é conjugá-lo com a esperança. Acreditar me expõe demasiadamente, mas decidir não acreditar vai contra a minha natureza. Deixar de crer que a mudança é possível é tão difícil quanto à própria espera. Se não esperamos e recebemos, então somos surpreendidos, mas se criamos expectativas e elas se frustram, abrimos espaço para dores evitáveis. Extinguir, arrancar pela raiz, destruir o que me torna vulnerável, para então ser feliz.

Diálogo com a vida

Don't You (Forget About Me) by Simple Minds on Grooveshark

Estou com medo de estar tão cansada e envolvida com mil coisas e acabar deixando passar os pequenos momentos que realmente valem à pena, os momentos simples que viram grandes lembranças. 


- Dona vida adulta, não me torne tão burra, medíocre e sem tempo para as coisas, e principalmente para as pessoas, que realmente importam!

Teologia da Polyanna

Vai valer a pena by Livres para Adorar on Grooveshark

Não entendo muito bem essa “Teologia da Polyanna”. Quer dizer que por eu ser cristã, eu não posso ficar triste, desanimada? Ah gente, pára! Cresce! As pessoas usam erroneamente a passagem bíblica da mulher Sunamita que disse “vai tudo bem” quando seu filho estava morto, para dizer que temos que mascarar os problemas e sempre fazer o “jogo do contente”. Não precisamos viver no engano, mascarando uma alegria que não existe. O meu conforto não está em dizer "vai tudo bem", mas em saber que apesar de estar abatida, angustiada e sem entender uma série de coisas, isso vai passar em breve. 



“E essa pequena e passageira aflição que sofremos 
vai nos trazer uma glória enorme e eterna, 
muito maior do que o sofrimento.
Porque nós não prestamos atenção nas
 coisas que se veem, mas nas que não se veem. 
Pois o que pode ser visto dura apenas um pouco,
mas o que não pode ser visto dura para sempre.”
II Coríntios 4.17,18 NTLH




Título em referência ao livro Pollyana de Eleanor H. Porter 

Ressentimento





Amigos, cônjuges, parceiros profissionais... Não importa o grau de envolvimento e a espécie de relacionamento, a maior parte de nós já experimentou a decepção e traição. Eu já experimentei a dor de ser traída e enganada diversas vezes. Recentemente passei por algumas decepções que me levaram ao chão. Aliás, se fosse apenas ao chão eu estaria bem... Fiquei amargurada, ranzinza, perdi tempo com sentimentos ruins. Preservei os envolvidos, apesar da minha imensa vontade de estampar as capas dos jornais com tudo o que eu sabia a respeito dessas pessoas (sou má! kkkk). Com o tempo, a mágoa foi passando, as dores e os prejuízos causados foram administrados, mas ainda faltava uma coisa: precisava me sentir livre.
Ontem sai atrasada para o culto da noite. Estava mega cansada e fiquei na cama enrolando, decidindo se iria ou não, e acabei saindo mais tarde do que deveria. Quando cheguei, o Ministério de Louvor estava cantando Me ama, do DT. Fiquei pensando numa frase desta canção: “não tenho tempo pra perder com ressentimentos quando penso que Ele me ama”
Durante todo o culto fiquei concentrada naquele trecho, pois sabia que Deus estava me ensinando mais uma vez, repetindo uma lição que eu insistia em não aprender. Ressentir é tornar a sentir; sentir de novo; sentir muito. (Amigo Houaiss está aí pra isso, gente!) Pra que guardar ou tornar a sentir uma dor? Pra que sentir outra vez algo que não me edifica?  Por que me concentrar nessas dores se algo maior, que é o amor do Senhor por mim, estava ali todo o tempo para me confortar? Perder tempo guardando mágoas, ressentindo é deixar de viver o novo, é abandonar a alegria para se concentrar na tristeza. Ressentir é apego ao sofrimento, não aceitar a cura e admirar a ferida... Chegou meu tempo de ser verdadeiramente livre.

Tempo de deixar os ressentimentos e as mágoas para trás e avançar, tempo de crescer. Amadurecer e aprender a lição de verdade. As pessoas que me magoaram talvez nunca voltem atrás para reparar seus erros, e se voltarem, eu não estarei mais lá. Meu amadurecimento passa pela liberdade que o perdão me traz.  Quero ser livre disso e serei!

Enganos da memória

Ao som de Pedaço de Mim, Chico Buarque & Zizi Possi

Não tenho medo de assombração. Não é ela que aparece para puxar sua perna no meio da noite. Quem faz isso é o passado mal resolvido. Ele volta e te faz imaginar que deveria ter sentir novamente a alegria de outrora. Mas, como disse Jim Powell em Arriscar é Viver: "Foi um erro ter voltado. Talvez seja sempre. Os lugares [eu diria pessoas] nunca são como a gente se lembra deles. Talvez eles tenham mudado, ou talvez a gente tenha mudado, ou talvez sejam enganos da memória. Uma imagem de qualquer lugar é uma incomum convergência de como ela era num momento particular e os olhos particulares que a viram, modificada pelo tempo e nunca a ser repetida”.


Não mata


Eu sou a prova científica de que ser trouxa não mata. 

[Desconfio que os "espertos" vão morrer primeiro. Gente perversa não dura.]

 
Blog da Ana Santos Blog Design by Ipietoon