terça-feira, 23 de abril de 2013

Do medo de voar e confiar


Minha Janaína favorita, 

 Queria ter toda a sabedoria possível para neste momento usar as palavras certas para acalmar seu coração. Somos amigas há tanto tempo, passamos por tantos momentos juntas que meu coração se aflige por não saber como lhe confortar nesse momento. Com o passar dos anos, aprendi que o medo é tão natural quanto a alegria que sentimos diante de um sapato bonito, rs. Todo mundo já sentiu medo um dia. Você deve se lembrar que morro de medo de altura. Nem adianta dizer que o medo é da queda, pois a altura me deixa em pânico, irritada e perto de uma crise de labirintite, nem por isso deixo de viajar de avião. Evito uma crise de labirintite tomando o remedinho 40 minutos antes de embarcar e, pronto, portas em automático! Sei que você irá dizer que, contra o medo de se relacionar não existe comprimido, que não é simples, e blá blá blá. Realmente não existe pílula contra o amor, mas tempo e afinidade são os melhores remédios. O tempo existe para que você reconheça o que realmente vale a pena arriscar e o que não vale um fósforo queimado. Afinidade é algo que não se pode comprar, forçar. Incontrolável, assim como uma força da natureza, necessária como o oxigênio. Sabe algo que não vale uma crise de labirintite? Atravessar uma passarela. Não adianta tomar remédio e encarar, a crise virá e eu ficarei irada por ter sido algo tão banal a me derrubar. Se eu já sei disso, mudo trajetos, vou de van, táxi se necessário, mas sigo vivendo sem tonturas.


Você está começando um relacionamento agora, foram muitos “quases” nos últimos anos, não se cobre demais! A vida é curta, mas é boa, então aproveite o que é bom! Você gosta de futebol, não é? Então... Lembra-se daquele inacreditável gol perdido pelo Deivid do Flamengo contra o Vasco? Até eu que sou vascaína falei que faria aquele gol! Pois é... Já imaginou se todo jogador tiver medo de entrar em campo depois de perder um gol feito esse? O jeito é encarar a torcida, os companheiros de time, e continuar em campo. Não é porque você andou chutando na trave, que vai desistir de fazer o gol, minha querida! Continue treinando, tenha confiança em você e em quem joga com você. Com o tempo, as feridas serão curadas e o tempo terá produzido em vocês maturidade e afinidade... Aí, minha amiga, é só partir pro abraço! 


 Sempre aqui. Sempre na torcida! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário