domingo, 18 de dezembro de 2011

Minha humanidade

“(...)Sou tão humana, Meu Deus! E no processo de lapidação, joguei fora algumas das minhas arestas, que talvez fossem o que eu tinha de mais valioso. Sou apenas alguém que escreve, que oscila, que anseia, que sofre, que ama, que acorda de madrugada pra pensar e tem inveja dos que dormem tão profundamente àquela hora. Não tenho nada que outra pessoa não possa desenvolver também. Não há limite que eu não possa superar. E se você me encontrar por aí, ou por aqui dizendo coisas e mais coisas, duvide de mim também. Sou apenas mais um na multidão que, enquanto caminha, vai deixando pra trás certezas, adereços, endereços...”
Marla de Queiroz

Nenhum comentário:

Postar um comentário