terça-feira, 11 de outubro de 2011

Sobre o que escrevo (e o motivo)

Nem todas as dores são de amor, nem todas as aflições são do trabalho. Somos mais do que rotina de 8h – 18h, mãos dadas e promessas. Cada um de nós constrói um universo de possibilidades e impasses que vão além dos bolsos e corações. Não limito a vida, não limito a escrita. Escrevo sobre o que sinto, mas também sobre o que sentem os corações a minha volta. Escrevo porque liberto nas palavras todas as dores e desejos, todos os porquês e interrogações.
Simples assim.

Um comentário:

  1. Pequeno ,mas muito bonito o seu post....é o que sinto tb,ao escrever.Poder expor meu dia a dia,momentos,opiniões,cotidano...mezzo real,mezzo ficção.Adoro isso!!!Bjão!!!!

    ResponderExcluir