Sobre não criar expectativas




“Eu não quero promessas. Promessas criam expectativas e expectativas borram maquiagens e comprimem estômagos.” Tati Bernardi


Ao som de Que nem maré - Jorge Vercilo


Desde que me entendo por gente com sentimentos, sempre gostei de homens bem mais velhos (Freud explica). Nunca me senti atraída por músculos e “pô, gatinha, qual é a boa?” Inteligência, bom humor e alguns cabelos brancos sempre me chamaram atenção. Com o Sr.H.H.¹ não foi diferente. Fazíamos parte do mesmo grupo de estudo e sua impulsividade e senso de humor aguçado me chamaram atenção. Apesar de ser mais experiente que eu, parecia um menino. Eu jamais havia encontrado olhos mais sinceros e sorriso mais fácil. Tornei-me uma espécie de rêmora sentimental depois que ele se apaixonou por minha melhor amiga, já que ele parecia curtir mulheres mais experientes. Alimentava minha paixão com migalhas de atenção. Estávamos sempre juntos, sempre os três. Fui álibi, desculpa, mas nunca o motivo dos encontros. Foram meses desta maneira. Um dia o romance entre eles acabou, as amizades foram interrompidas pela distância, e a vida seguiu para todos nós. Perdemos o contato e fizemos nossas próprias histórias.
Meses atrás, enquanto passeava entre as gôndolas de um grande supermercado, nos reencontramos. O tempo continuou sendo generoso com ele (ô...), mas o sorriso mudou, perdeu alegria. Trocamos algumas palavras, gestos educados, e uma imensa sensação de desconforto. Esta semana recebi um e-mail dele (sim, meu e-mail é o mesmo desde que a internet passou a fazer parte da minha vida) dizendo que agora que está vendo os 40 com outros olhos, sua reflexão habitual de fim de ano mudou um pouco, dedica-se a corrigir os erros do passado, ao invés de só tentar acertar no ano seguinte. Em meio a estas reflexões, acabou lembrando nosso rápido encontro e me fez a seguinte pergunta: “e se tivesse sido você, a grande paixão da minha vida, ao invés dela?” A resposta foi simples e direta: “eu teria percebido logo a verdade sobre grandes paixões – elas acabam e deixam grandes feridas. Maiores que os sentimentos, eram as expectativas criadas, e dor seria inevitável no fim.” Não recebi nenhuma resposta e acredito que não virá. Provavelmente ele esperava que eu dissesse que teríamos sido ‘felizes para sempre’, mas já tem um tempinho que eu não acredito nessa história, rs.
Pois é, aprendi com o passar do tempo muitas lições, entre elas, não criar expectativas sobre as pessoas ou sentimentos (esse ano eu tive uma espécie de “reforço positivo” sobre esta lição). Parece melancólico demais para ser publicado no blog numa data em que todos estão renovando suas esperanças para o próximo ano, refletindo sobre o que se passou, mas esta é uma de minhas metas para 2011: acabar, definitivamente, com as expectativas que crio sobre as pessoas, me preservar mais e me decepcionar menos.
Que amanhã possamos modificar nossas histórias, colocar em prática o que aprendemos com os erros cometidos ou observados, caso contrário, terá sido em vão tanta reflexão sobre o ano que está indo embora!
________________________________
1 - Referência ao professor Humbert Humbert, personagem do livro Lolita.

6 comentários:

  1. Não sei se teria a mesma coragem no email com o Sr H.H. Uma coisa é fato: no more expectations!
    Que o passado fique no passado e que venha o MELHOR!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Ana!
    É verdade que não podemos ter grandes expectativas em relação às pessoas e sentimentos. Porque podemos nos decepcionar e nos frustrar... As pessoas nem sempre vão agir ou ter a postura a qual esperamos, já que somos pessoas diferentes com posicionamentos distintos. Por isso, em 2011 devemos sim ser mais prudentes,com um olhar mais paciente, amoroso e perdoador... Repensar e aprender com os erros cometidos em 2010 para que, em 2011 possamos ser pessoas melhores em atitudes, pensamentos e sentimentos..
    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. O fato é de que sempre criaremos expectativas. O problema não está em se criar expectativas, mas sim em não concretizá-las. A fim de que sejamos poupados de desconfortos, precisamos, então, depositar as expectativas nas pessoas e nas coisas certas. E no tempo certo, é claro. Para isso, uma dose de paciência e muita observação será necessária.
    Elaine Elen

    ResponderExcluir
  4. Concordo em gênero, número e grau!
    Aprendi isso em 2010, com meus escorregões e danças na vida, alguns passos bailados a mais, me fizeram ver que viver é bem mais que esperar para a felicidade acontecer. Eu passei minha vida inteira projetando minha felicidade na expectativa de um sonho inocente e infantil, que na verdade não passava de um carrasco que me impedia de ver que a vida acontecia enquanto eu esperava. Meus anos se passavam, minha juventude e minha força iriam acabar sem ter sido utilizadas. Então parei de esperar e comecei a apreciar a vida, vivendo, e não mais admirando os sonhos pela janela triste embaçada do "se..." ou do sempre esperançoso frustrado: "já pensou se fosse assim".
    Carpe Diem!!! Aproveite a vida!!!

    ResponderExcluir
  5. Pois é Ana. O importante é confiarmos nas promessas de Deus para nossas vidas. Essas sim jamais se apagarão. E Ele, o Nosso Pai, nunca nos decepciona. Nele sim, podemos confiar. Bom texto. Excelente 2011 para você!
    Beijos,
    Fabi
    Ps.: Republiquei um texto de teu blog no meu
    WWW.fabianaandre.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. As decepções nos fazem mudar nossa atitude, às vezes somos ingênuos demais e nos machucamos por nossa inocência, pelo menos servem pra aprendermos lições e mais tarde nos preservamos de situações que antes mergulharíamos de cabeça, já entendi também a diferença entre amor e paixão, graças a Deus, hoje vivo um amor verdadeiro que vai sendo cultivado e vai crescendo aos poucos, sarando todas as feridas que a paixão deixou!

    ResponderExcluir

 
Blog da Ana Santos Blog Design by Ipietoon