sexta-feira, 16 de julho de 2010

Pisca-pisca

"A vida, Senhor Visconde, é um pisca-pisca. A gente nasce, isto é, começa a piscar. Quem para de piscar, chegou ao fim, morreu. Piscar é abrir e fechar os olhos - viver é isso. É um dorme e acorda, dorme e acorda, até que dorme e não acorda mais. […] A vida das gentes neste mundo, senhor sabugo, é isso. Um rosário de piscados. Cada pisco é um dia. Pisca e mama; pisca e brinca; pisca e estuda; pisca e ama; pisca e cria filhos; pisca e geme os reumatismos; por fim pisca pela última vez e morre.
- E depois que morre? - perguntou o Visconde.
- Depois que morre, vira hipótese. É ou não é?"

Memória de Emília ~ Monteiro Lobato

Um comentário:

  1. Existem algumas saudades que o tempo não pode apagar; existem momentos que se eternizam no coração, na mente e, principalmente, na memória.

    Existem alguns tipos de amor que são tão grandes, tão sobrenaturais, tão fantasticos que parecem não ser real.

    Amores regados a lágrimas, amores regados a dores, amores crescidos na angustia.

    Cabe a nós contar as estrelas e a Deus contar as lágrimas.

    Por mais relampago, mas curto e mais efemero que uma paixão ou amor dure, em algumas situações ele ficará pra sempre, dure semana ou meses, vem com tanta força que deixa uma mancha tão forte que nenhum produto de limpeza consegue remover.

    ResponderExcluir