quinta-feira, 15 de abril de 2010

Quando é que a gente perde o medo?

Conversando com uma das minhas leitoras do blog sobre “Nuggets, Nadine e outras loucuras” ela me confessou que tem medo, não de viver um amor assim, mas de demonstrar o amor que já sente por um incógnito príncipe.
Você já assistiu ao filme "O curioso caso de Benjamim Button"? Parei para assisti-lo no fim de semana e confesso que me trouxe algumas reflexões, do tipo: já que não sabemos o nosso tempo de validade, porque nós temos tanto medo de viver? Por que perdemos tempo com coisas que sabidamente não tem futuro? O Benjamim nasce velho e vai rejuvenescendo ao longo dos anos, ele sabe quanto tempo de vida tem, e não desperdiça esse tempo com relacionamentos efêmeros ou pessoas que não vão acrescentar grandes valores a sua vida.
Diferentemente do filme, nós não sabemos nosso tempo por aqui. Pode ser que vivamos mais 5 minutos ou façamos hora extra como a Derci Gonçalves (rs rs) ; a questão é se não sabemos o tempo que nos resta, por que perdemos tempo com medo de viver? O máximo que pode acontecer é viver!
Por isso, viva sem medo! Não tenha medo de se declarar, de arriscar uma nova carreira, de apoiar um amigo que resolveu largar o emprego chato e burocrático para estudar História da Arte. Chega de ficar só respirando, viva! E não pense que é fácil sair dessa rotina de “inspirar e expirar” (recentemente me disseram que não me entendem exatamente por isso, me esforço para viver 24 horas por dia, mas em alguns momentos eu apenas respiro, mas entendo que é um processo, as vezes lento, mas o importante é que ele comece!), mesmo que em alguns momentos você volte a respirar somente, não desista da vida que acontece em você!
Se é pra viver, então eu prefiro ficar com quem é importante pra mim, enquanto estou viva, nem que seja por alguns poucos minutos e não uma noite inteira com a pessoa velando meu corpo quando eu morrer. Fico com as gargalhadas dos amigos enquanto estou viva, e abro mão das lágrimas deles quando eu morrer. Prefiro os telefonemas (nem que seja pra dizer "Oi"), do que as ligações entre os familiares avisando que parti. Quero que me entreguem uma flor solitária agora, mas não comprem coroas que irão pro meu velório (Que ninguém gaste com isso, tá? As flores são caras e eu não vou sentir o cheiro de nada!). Acho melhor ouvir todas as palavras a meu respeito enquanto estou viva, do que um dilacerante discurso de despedida (que a minha família terá que ouvir, eu não!!). Eu não espero outra oportunidade para dizer que amo, isso pode não acontecer. Não espero a vida passar pra perceber o quanto ela é boa...
Sabe quando é que a gente perde o medo da roda gigante? Quando já está no topo dela e o único jeito de sair vivo dali, é girando! Então gire a sua vida...Enfim, viva sem medo! Declare-se, mude-se, emagreça, engorde, case-se, tenha filhos, não tenha mais filhos, mas viva! Não importa se até hoje você só respirou, está na hora de começar a viver!

7 comentários:

  1. Já que é permitido a total liberdade de expressão aqui vai a minha, o que pensei ao terminar de ler:

    CACETEEEE!!!!!!!! LIFE THIS IS IT!

    ResponderExcluir
  2. Quando é que a gente perde o medo?

    Quando enfrenta ele... e vê que não era nada daquilo....

    Quando olhamos debaixo da cama a imaginação é fertil.. mas qdo criamos coragem e olhamos ele de frente..

    simplesmente ele desaparece

    NÃO É FANTASTICO?

    ResponderExcluir
  3. ola..achei ontem sua pagina aqui na net..adorei ...vc por acaso tem pagina no facebook??

    flavia -juiz de fora-mg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. [UPTADE] Flavinha, agora tem Fanpage!
      https://www.facebook.com/escritoraemconstrucao

      Excluir
  4. Flávia, que bom que gostou do meu cantinho!
    Página no Facebook? Hum, só a minha! Por lá eu escrevo uma coisa ou outra, fique a vontade pra me acompanhar por lá!
    anasantos_rj@ymail.com
    Beijo!

    ResponderExcluir