sexta-feira, 11 de junho de 2010

Uma mulher de 30

Poderia ser um dia como tantos outros, uma sexta como tantas outras, mas hoje é aniversário de uma pessoinha bastante querida. Uma pessoa que eu adoro fazer rir, que me acompanha no coro do "uuuiiiii", que não me entende na maioria das vezes, mas ainda assim está sempre me ouvindo, me confortando e me fazendo rir.

Honoré de Balzac idealizou a mulher entre 30 e 40 anos, como sendo o marco maior da feminilidade, a representação da supremacia da mulher, onde ela atinge o ápice do determinismo feminino, o cume da presença feminina. Enfim, o apogeu de si própria, o supra-sumo da feminilidade, o equinócio hormonal entre beleza, vivência e independência. Então, que seja assim, Lanita! Que esta fase balsaquiana lhe traga experiencias que você tem buscado, que os seus sonhos se realizem, pois sei que você tem batalhado muito por eles! A segurança e a tranquilidade de ter escolhido o melhor caminho virão com o tempo... e este, tem lhe feito muito bem!
Parabéns!!

Um comentário:

  1. Puxa, acho que não mereço tanto, ainda mais pelo fato de só ter lido o post hoje, mas não foi descaso. Saí daqui na sexta prometando ler quando chegasse a casa, entretanto,(xiiiiiiiiiiiiiiii me esqueci). Muito obrigada pelo apreço, risadas e as boas massagens, é claro (risos)

    ResponderExcluir